LECTURES

Posicionamento do produto

Para onde caminha a indústria de joias frente aos desafios da revolução digital, do novo comportamento do consumidor e da agenda de sustentabilidade? Esta é a reflexão do primeiro dia de palestras.

14h30

As perspectivas do setor joalheiro no Brasil e no mundo

Apesar de uma perspectiva promissora de desenvolvimento no futuro, a joalheria brasileira luta para superar uma agenda do passado marcada pela informalidade, pelo baixo profissionalismo e pela falta de transparência. Precisamos construir uma nova narrativa e superarmos no nosso atraso institucional. Como fazer?

Ecio Morais é diretor executivo do Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos IBGM e da Associação dos Joalheiros do Estado de São Paulo AJESP. Mestre em economia e bacharelando em direito, sua experiência soma mais de 20 anos à frente de entidades de classe setoriais.

15h

O produto joia na Era Digital

A proposta básica de posicionamento de um produto não consiste em criar algo novo e diferente, mas sim em lidar com o que já existe na mente, no imaginário coletivo. É algo que o novo consumidor digital valoriza e percebe como “singular”, mesmo diante das múltiplas possibilidades de utilização de sua renda.

Eliane El Badouy é consultora associada da Inova Consulting, professora de Marketing, Neuromarketing Futuro & Tendências e Economia Criativa da Inova Business School e pesquisadora do comportamento, mecanismos de atenção e do consumo de mídia do jovem contemporâneo.

16h

Joia é tudo de bom, mas por que não vende mais?

Apresentação dos resultados de uma importante pesquisa qualitativa sobre o consumo de joias no Brasil, encomendada à Casa Semio pelo IBGM, AJESP, AJOMIG e AJORIO. Serão comentados os atuais sentidos do produto joia, como ele está posicionado na vida do consumidor e a sua relação com o mercado. E, por fim, serão comentadas quais são as alavancas e as barreiras do uso de joias nos dias atuais.

Clotilde Perez é sócia fundadora da Casa Semio, coordenadora do Observatório de Tendências da Ipsos, autora e coautora de inúmeras obras. É vice-presidente da Federación Latino-americana de Semiótica (FELS). Sua formação inclui pós-doutorado em Design Thinking pela Stanford University (EUA) e em Comunicação pela Universidade de Murica (Espanha) e doutorado em Comunicação e Semiótica.

17h

A importância do tema ressignificação no setor joalheiro

As decisões sobre o design nas empresas moldam os processos por trás dos produtos, que se utilizam de materiais e energia para produzi-los. E, neste contexto, é de suma importância transparecer ao consumidor/comunidade, nos dias de hoje, os cuidados com a parte técnica e viabilidade do produto e a preocupação com o meio ambiente para uma ressignificação do setor joalheiro.

Rodrigo Ferreira Silva é instrutor de formação profissional em joalheria do SENAI-SP. É formado em produção joalheira pelo IED e especialista em micro-cravação de gemas pela Salpaus Futher Education/ Lahti Finland. Foi joalheiro campeão mundial pela Worldskills London (2011) e atuou como gestor de oficina de joalheria em Leipzig – Alemanha (2013).

18h

Abertura do TECNOTALKS

Patricia Sant’Anna é fundadora e CVO da Tendere Pesquisa de Tendências e Soluções em Negócios Criativos. Doutora em história da arte e mestre em antropologia pela UNICAMP, é consultora no mercado criativo atuando em setores como joias, moda e decoração. É docente no curso de Future Studies e Coolhunting no IED SP e nas pós-graduações de moda da Faculdade Santa Marcelina, Digicorp (USP), Unipê (PB), Unifor (CE) e IED (SP). Dentre os clientes já atendidos, se destacam Itaú Cultural, C&A, Renner, Samsung, entre outros.

18h05

Semiótica e marketing para marcas de joias, folheados e bijuterias

Bruno Pompeu é sócio fundador da Casa Semio e diretor regional sudeste da Associação Brasileira de Pesquisadores em Publicidade. Pós-doutorando pela Universidad Complutense de Madrid e na USP e doutor e mestre em ciências da comunicação pela USP, atua como consultor semioticista atendendo institutos de pesquisa, agências de publicidade e a indústria em geral. É autor do livro “Semiopublicidade: inovação no ensino – epistemologia e currículo da publicidade” e coautor do Dicionário técnico e crítico da comunicação publicitária.

18h25

Sustentabilidade como prática fundamental para qualquer marca e empresa do setor joalheiro sobreviver em um futuro próximo no mercado de bens de consumo

Tainá Vedovello Bimbati é fundadora da Ambienta Instituto. Mestra em engenharia civil pela FEC-UNICAMP e auditora em responsabilidade social e ambiental pela APOIOBRASIL e APTO. Atua com consultoria para a elaboração do balanço ambiental às organizações como forma de mensurar e minimizar os impactos sociais e ambientais e atender às exigências legais.

18h40

A presença digital de marcas do setor de joias, folheados e bijuterias

Tatiana Antoniazzi Brugalli é fundadora da Aldeia Agência Digital. Arquiteta e urbanista pela UFRGS, com MBA em comunicação e marketing pela ESPM, é uma das pioneiras em marketing digital no país e participa de iniciativas de apoio ao empreendedorismo feminino. Há 23 anos atende empresas do setor de moda como Gisele Bündchen, Colcci, entre outras.

19h

Inclusão social e competitividade no mercado nacional e global

Gustavo Narciso é PMO corporativo da C&A Brasil desde 2015. Engenheiro bioquímico graduado pela EEL-USP, é expert em gerenciamento de projetos e desenho de processos. Em 2017 idealizou, construiu e liderou a frente da Diversidade da varejista junto à área de Gente & Gestão com foco nas discussões de gênero, raça e população LGBTQ+.

19h20

Mesa redonda

Posicionamento da joia como categoria de produto no cenário atual do mercado

A indústria joalheira no contexto da economia criativa

A joalheria, em virtude de seu alto conteúdo simbólico, está inserida no universo da economia criativa, um segmento que irá se destacar no mercado do século XXI, e onde a criatividade, a inovação e o conteúdo cultural e de conhecimento são determinantes para a geração de valor. Diversos países como a Austrália e o Reino Unido, preocupados com o desemprego tecnológico e com a crise da indústria tradicional, já identificaram a potencialidade da economia criativa e desenvolveram políticas públicas de apoio a esse segmento. Joia tem a ver com criatividade, conteúdo simbólico, manifestação de afeto, identidade pessoal e, como no conceito de economia criativa, seu principal atributo distintivo é o design. Como poderemos construir uma nova narrativa para a indústria joalheira no Brasil tendo como elemento de reflexão a economia criativa? Esse é o macro tema do segundo dia de palestras.

16h

Os novos atributos na construção de valor para a joalheria

Dentre os primeiros produtos produzidos pelo homem, as joias foram tradicionalmente feitas com os materiais mais valiosos disponíveis, com funções simbólicas ligadas aos aspectos comunicacionais de proteção, distinção e sedução.

O cenário complexo do mundo contemporâneo trouxe novas dicotomias entre o uso de materiais não renováveis e sustentabilidade, globalização e valores locais, tradição e modernidade, que podem ser equacionadas com a abordagem sistêmica do design, com soluções de atribuição de novos valores, não intrínsecos aos materiais.

Adriano Mol é coordenador do Centro de Estudos em Design de Gemas e Joias da Escola de Design/UEMG. É Doutor em engenharia de materiais pela REDEMAT (2016) e especialista em design de gemas e joias pela UEMG. Desde 2003 atua como designer e consultor para o setor de gemas e joias e coleciona premiações em concursos realizados no Brasil, na Bélgica e em Hong Kong.

17h

Como materiais alternativos trazem novas simbologias para a joalheria

A criatividade hoje é a principal responsável pela geração de novos valores dentro da economia criativa. Nesta palestra será abordada a importância que o uso de novos materiais tem para a inclusão do setor de joias e bijuterias neste movimento e como a comunicação conceitual e criativa é relevante para gerar a inovação e, consequentemente, ampliar novos mercados.

Márcia Croce é diretora da DGNG – Design Negócio, escritório de Consultoria e Marketing, especializado em Planejamento Estratégico de Marcas com foco no segmento joalheiro Publicitária pós–graduada em Fashion Marketing e Communication pelo IED-SP, ela tem mais de 30 anos de vivência profissional no setor joalheiro, ajudando marcas a consolidarem seu nome no mercado.

18h

Joia-Arte e sua importância para processos criativos no universo do design de joias

Patricia Pesco é designer de joias, estilista de moda, presta assessoria para o desenvolvimento de coleção e ministra aulas de design de joias com ênfase em conceitos para criação de coleções na Escola de Arte ICS-ART (SP). Formada em moda pela Faculdade Santa Marcelina, especialista em joalheria pela mesma instituição, ela atua no setor há mais de 18 anos. Integrou a equipe de design da H.Stern, onde desenvolveu coleções como Oscar Niemeyer, Costanza Pascolato, Diane Von Furstenberg, entre outras.

18h20

Como os setores joalheiro, de folheados e bijuterias colabora e atua na Economia Criativa do Brasil e do mundo

Patricia Sant’Anna é fundadora e CVO da Tendere Pesquisa de Tendências e Soluções em Negócios Criativos. Doutora em história da arte e mestre em antropologia pela UNICAMP, é consultora no mercado criativo atuando em setores como joias, moda e decoração. É docente no curso de Future Studies e Coolhunting no IED SP e nas pós-graduações de moda da Faculdade Santa Marcelina, Digicorp (USP), Unipê (PB), Unifor (CE) e IED (SP). Dentre os clientes já atendidos, se destacam Itaú Cultural, C&A, Renner, Samsung, entre outros.

18h40

Design de Joias: como formar e montar uma equipe eficiente de design de joias

Márcia Croce é diretora da DGNG – Design Negócio, Escritório de Consultoria e Marketing, especializado em Planejamento Estratégico de Marcas com foco no segmento joalheiro Publicitária pós–graduada em Fashion Marketing e Communication pelo IED-SP, ela tem mais de 30 anos de vivência profissional no setor joalheiro, ajudando marcas a consolidarem seu nome no mercado.

19h

Mesa redonda

Criatividade e design na Economia Criativa

A indústria joalheira e a 4ª Revolução Industrial

Vivemos hoje não uma era de mudanças, mas sim uma mudança de era. Uma verdadeira revolução de possibilidades e riscos ilimitados: tecnologia 3D, inteligência artificial, big data, internet das coisas, blockchain, gemas sendo produzidas em laboratórios, etc. Como tudo isso impacta e condiciona o futuro da joalheria? Esta é a discussão do terceiro e último dia do ciclo de palestras da TECNOGOLD 2019.

14h30

A indústria do futuro nos dias de hoje

A palestra elucidará os aspectos da tão comentada “Indústria 4.0”, quebrando paradigmas e buscando apresentar conceitos que tangenciem, de forma clara e consistente, as causas e os efeitos desta integração tecnológica, abordando as tecnologias habilitadoras à indústria joalheira, e como o SENAI-SP pode auxiliar as empresas a alcançar este novo patamar.

Guilherme de Souza Dias é coordenador de relacionamento com a indústria do Núcleo de Tecnologia em Logística e atuante na gestão de projetos de assessoria “Rumo à Indústria 4.0”, ambos no SENAI-SP. Pós-graduado em Engenharia da Produção, foi campeão de competições como “Urban Design Challenge – Autodesk Brasil” e “Desafio Maker – Autodesk Brasil”.

15h30

Qual o perfil de uma fábrica de joias alinhada com a fronteira da tecnologia no setor?

Introdução ao Diamante Sintético

O diamante sintético vem sendo uma alternativa cada vez mais viável e interessante por diversos aspectos para a joalheria. Players mundiais estão se posicionando para este novo mercado. Entretanto, ele não irá substituir totalmente o diamante natural, mas terá uma participação no mercado muito importante.

Yuri Nunes é sócio diretor da Brasil Design Group Joias. Pós-graduado em Engenharia Metalúrgica pela USP, trabalhou como consultor para fábricas de joias trazendo conhecimento dos maiores centros produtores de joias para o Brasil. Atua como professor de materiais e processos.

15h30

Qual o perfil de uma fábrica de joias alinhada com a fronteira da tecnologia no setor?

Portaria Inmetro 60

Quais são os desafios da indústria face às exigências das normas e regulamentação do uso do cadmio nas ligas? Qual o papel do cadmio nas ligas? Quais são as alternativas para transformar os processos da indústria? Essa palestra responderá essas perguntas e apresentará os futuros possíveis caminhos sustentáveis para a indústria.

Eliana Andrello é especialista setorial da Federação das Indústrias (FIRJAN) desde 2014. Pós-graduada em planejamento estratégico, registra passagens por diversas empresas do setor, como H. Stern, Natan Joias e Art Lev, atuando na reestruturação de instalações (unidades fabris e oficinas), processos e desenvolvimento de produtos.

15h30

Qual o perfil de uma fábrica de joias alinhada com a fronteira da tecnologia no setor?

Produção padrão internacional

Como começar a modernização de um pequeno/médio negócio? visando uma produção com padrão internacional? A palestra abordará os equipamentos que devem ser priorizados nos investimentos, quais tecnologias são, de fato, úteis e importantes, e como funcionam os bastidores das negociações entre fabricantes internacionais e distribuidores aqui no Brasil.

Ricardo Gui é um dos fundadores da Cactus do Brasil. Formado em administração de empresas com especialização em comércio exterior pela Universidade Paulista, ele atua como curador de tecnologia de produção para indústrias e profissionais de joias e afins desde 1999.

15h30

Qual o perfil de uma fábrica de joias alinhada com a fronteira da tecnologia no setor?

Análise de metais preciosos, traços de elementos nocivos e revestimentos múltiplos em joias e bijuterias via FRX

Os requerimentos em controle de qualidade na indústria estão cada vez mais crescentes. Respostas rápidas e precisas são fundamentais para a melhoria da qualidade, redução de custos e necessidade de conformidade da regulamentação local, a exemplo da portaria 43 do Inmetro.

Matheus Petreche é gerente de vendas da Helmut Fischer, multinacional alemã. Possui formação em Engenharia Elétrica e Eletrônica pela FEI e ampla vivência como especialista de produto e de aplicações em Difração e Fluorescência de Raios-X, desenvolvendo soluções para diversos ramos da indústria e pesquisa e desenvolvimento de materiais.

17h

A revolução digital e o impacto no modelo de negócio da indústria

Além das transformações nos negócios e nas empresas, a 4ª Revolução Industrial traz um novo consumidor muito mais conectado digitalmente. Neste cenário, para onde caminha a joia e como ela converge com este cliente? A palestra trará os novos insights e as recomendações para o setor.

Eliane El Badouy é consultora associada da Inova Consulting, professora de Marketing, Neuromarketing Futuro & Tendências e Economia Criativa da Inova Business School e pesquisadora do comportamento, mecanismos de atenção e do consumo de mídia do jovem contemporâneo.

17h45

Inovações tecnológicas para o setor joalheiro

Guto Marinho é docente da Faculdade Santa Marcelina e consultor na área de área de desenvolvimento de componentes para os segmentos da moda e joalheria. Ele é doutor em design pela FAU-USP, tem estudo de modelagem virtual e impressão 3D para área de moda, mestre em engenharia automotiva pela POLI-USP e graduado em design com habilitação em projeto de produto (FAAP).

18h05

A indústria 4.0 para o setor joalheiro

Ana Paula Colombi, economista pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre e Doutora em Desenvolvimento Econômico pelo Instituto de Economia da Unicamp. Atualmente é pós-doutoranda também pelo IE, Unicamp.

18h25

Processos conscientes de inovação: o design 3D na joalheria

Paula Barretto é sócia-proprietária da Onnea – Estúdio de Joias 3D, onde presta serviço de modelagem e impressões de joias. Formada em moda pela Faculdade Santa Marcelina, trabalhou na H.Stern como designer 3D.

18h45

Mesa redonda

Inovações no setor joalheiro